,

Dia Internacional para Eliminação da Violência Contra a Mulher

25 DE NOVEMBRO
“Dia Internacional para Eliminação da Violência Contra a Mulher”

Em 1999, a Assembleia Geral da Organização das Nações Unidas (ONU), estabelece que o dia 25 de Novembro é o ”Dia Internacional para a Eliminação da Violência Contra a Mulher” buscando que governos e sociedade civil organizadas nacionais e internacionais realizem ações com o objetivo de extinguir este tipo de violência que destrói a vida de mulheres e de muitas crianças.
A Campanha Mundial de Combate a Violência Contra as Mulheres se estende até o dia 10 de dezembro, “Dia Internacional dos Direitos Humanos”. Esta campanha é conhecida como “16 Dias de Ativismo contra a Violência contra as Mulheres”.
Devemos lembrar que a violência contra a mulher é um problema mundial que não distingue cor, classe social, cultural ou raça.

O Brasil está no 5º lugar no ranking mundial do feminicídio Segundo a OMS (Organização Mundial da Saúde), estando no 5º lugar dos países que mais matam mulheres no mundo no contexto de violência doméstica.
Segundo o Fórum Brasileiro de Segurança Pública:

  • Uma mulher é morta a cada sete horas por ser mulher.
  • Nove em cada dez casos, a mulher foi morta pelo companheiro ou ex-companheiro.

Neste ano de 2020, do início da pandemia do coronavírus em março até agosto 497 mulheres perderam suas vidas. Sendo um feminicídio a cada nove horas, com uma média de três mortes por dia. São Paulo registrou 79 casos, Minas Gerais 64 casos, e Bahia 49 casos, foram os estados que registraram maior número absoluto de casos no período.
As denúncias podem ser feitas através:

Ligue 180 – Central de Atendimento à Mulher que é um serviço de utilidade pública essencial para o enfrentamento à violência contra a mulher. Além de receber denúncias de violações contra as mulheres, a central encaminha o conteúdo dos relatos aos órgãos competentes e monitora o andamento dos processos. O serviço também tem a atribuição de orientar mulheres em situação de violência, informando sobre seus direitos direcionando-as para os serviços especializados da rede de atendimento e acolhimento de mulheres em situação de vulnerabilidade.
–  Pelo aplicativo Direitos Humanos Brasil e na página da Ouvidoria Nacional de Diretos Humanos (ONDH) do Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos (MMFDH). No site está disponível o atendimento por chat e com acessibilidade para a Língua Brasileira de Sinais (Libras).
– Pelo aplicativo Telegram, basta acessar o aplicativo, digitar na busca “DireitosHumanosBrasil” e mandar mensagem para a equipe da Central de Atendimento à Mulher.

O Ligue 180 funciona diariamente durante 24h, incluindo sábados, domingos e feriados. Em todas as plataformas, as denúncias são gratuitas, anônimas e recebem um número de protocolo para que o denunciante possa acompanhar o andamento.

Vale lembrar que a violência contra a mulher como todo ato de violência baseado no gênero que tem como resultado o dano físico, sexual, psicológico, incluindo ameaças, coerção e privação arbitrária da liberdade, seja na vida pública seja na vida privada. Ao utilizar a categoria de análise gênero, neste caso, significa assumir que a violência decorre de relações desiguais e hierárquicas de poder entre homens e mulheres na sociedade, e que não se deve a doenças, problemas mentais, álcool/drogas ou características inatas às pessoas, mas sim, uma construção social(OMS).

A Violência Contra a Mulher é crime. Atualmente, 125 países possuem leis específicas de proteção à mulher, sendo que a legislação brasileira (Lei Maria da Penha) é considerada uma das três mais avançadas do mundo.

,

NÚCLEO DE PREVENÇÃO À VIOLÊNCIA E PROMOÇÃO DA SAÚDE PSICOLOGIA NO ENFRENTAMENTO DO COVID 19

“a saúde é um estado de completo bem-estar físico, mental e social, e não apenas a ausência de doenças ou enfermidades” (OMS, 2020).

Em 11 de março de 2020 a Organização Mundial da Saúde (OMS) anunciou a existência de uma pandemia (enfermidade epidêmica amplamente disseminada). E, no dia 16 do mesmo mês o Brasil inicia o enfrentamento ao COVID 19, fazendo com que os brasileiros começassem a encarar uma nova situação cotidiana. De um lado, o isolamento social como jamais visto, de outro, os profissionais de saúde se reinventando na dura tarefa de lidar com um inimigo invisível.

A incerteza sobre o futuro e o desconhecimento de tratamentos eficazes, trouxe insegurança na dinâmica econômica, política e social, fazendo com que as soluções tenham de ser pensadas dia a dia.

Os profissionais da saúde, além dessas inseguranças convivem com o medo de contrair o vírus e transmiti-los aos seus familiares, sentindo a morte muito mais presente e experimentando sentimentos de solidão, abandono, desespero e ansiedade. Muitos vivem contextos e situações onde precisam escolher a quem salvar, além do compromisso e da pressão em terem sucesso no controle da doença.

Algumas dicas podem ajudar a amenizar as angustias diante do coronavírus e das mudanças diárias:

  1. Entenda o momento/contexto – O que é o Covid 19? O que realmente esta acontecendo no mundo… no Brasil… na minha região… e na minha cidade? Leia os decretos vigentes na íntegra. Acompanhe as informações e orientações da Organização Mundial da Saúde e do Ministério da Saúde. Evite excesso de informações das redes sociais e Pergunte a quem realmente pode trazer informações oficiais.
  2. Identifique o que interfere negativamente no seu desempenho profissional e pessoal. O que não ficou claro, o que não entendeu? Quais situações do trabalho estão incomodando? No trabalho o que depende de você? O que realmente você pode fazer? O que te compete? Quais sentimentos estão sendo mobilizados? Posso aconselhar um colega que está emocionalmente abalado ou preciso de alguém que me ouça? Aconselhe ou Aconselhe-se!
  3. Conheça suas possibilidades – As situações novas por si só trazem insegurança e angustia. E, vindas repentinamente o impacto emocional é bem maior, principalmente em momento de calamidade. Relembre de como você reagiu diante de situações inesperadas ocorridas anteriormente? Quais as tristezas e aprendizados? Você superou…sobreviveu? Conserve pensamentos positivos e elimine o que não se pode mudar, o que não depende de você. Pensamentos repetitivos, que invadem a mente de forma automática atrapalham as atividades cotidianas, como o sono, a alimentação, o humor ou mesmo prestar atenção em algum assunto.
  4. Promova a solução de Problemas – Se deparar com sentimentos e emoções negativas, como medo, tristeza, raiva, solidão, ansiedade e estresse, são comuns neste momento não se culpe por isso. Dar conta desses desafios atuais não é uma tarefa fácil para nenhum de nós. Podemos sentir que estamos sobrecarregados, especialmente quando pensamos ou sentimos que não conseguimos fazer as coisas do nosso jeito ou que não temos capacidade para lidar com os desafios ou ainda que não contamos com o apoio necessário de pessoas que são, para nós, importantes. Pense em cada pergunta e em cada resposta!
  5. Anote ideias, planos e formas que você acha que poderiam ajudar a lidar com seus desafios.

Bibliografia: Orientações Técnicas para o Trabalho de Psicólogas e Psicólogos no Contexto da Crise COVID-19, (Sociedade Brasileira de Psicologia,2020).

 Odila Mazzei de Barros Psicóloga/vds@jarinu.sp.gov.br      

,

Núcleo de Prevenção informa: “Em casa sim… Violência Não”!

No atual momento de enfrentamento ao Covid-19, o “distanciamento social” é a forma mais eficaz de prevenção à doença e com isto nossa rotina foi modificada de uma hora para a outra. É um momento de angustia, tensão, medos e insegurança; a proximidade com a família ficou maior e as diferenças individuais mais intensas. Para muitos um momento potencializador para praticar abusos e até violências contra os mais próximos, onde o lar deixa de ser um local seguro e provedor de cuidados para se tornar um local de medos por muitas crianças, mulheres e idosos.

Segundo o Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos (MMFDH), as denúncias de violência doméstica subiram durante a quarentena. Entre os dias 17 e 25 de Março, o disque 180 recebeu três mil e trezentas denuncias de violência doméstica contra mulheres no Brasil. Um aumento de quase 10% em relação à primeira quinzena de março.

– “ É preciso amar as pessoas como se não houvesse amanhã”
-Central de atendimento a mulher: 180
Denúncias idosas: 100
Conselho tutelar: 4016 – 5553

,

Núcleo de Prevenção à Violência realizou encontro nas UBS’s

O Núcleo de Prevenção à Violência Doméstica e Sexual Contra Crianças e Adolescentes realizou entre os dias 16 e 23 de Maio diversos encontros para promoção de ações que podem ser desenvolvidas no combate ao Abuso e Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes.

Durante os encontros diversas atividades foram realizadas entre elas caminhadas de conscientização e roda de conversas.

É importante que a população saiba que a Secretaria de Saúde dispõe desse trabalho e que toda denúncia por ser feita de forma anônima, através do número Disque Denúncia 100 ou do Conselho Tutelar 4016-4016-5553 e do Núcleo de Proteção 4016-8100.

 

,

Núcleo de Proteção à Violência divulga calendário de atividades

A Secretaria Municipal de Saúde através do Núcleo de Prevenção à Violência Doméstica e Sexual Contra Crianças e Adolescentes divulga cronograma das ações que serão desenvolvidas no combate ao Abuso e Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes nas Unidades de Saúde da Família e no Ambulatório Central de Especialidades convidando os responsáveis por crianças e adolescentes a comparecerem para uma Roda de Conversa.

Ambulatório Central:

Data: 17 de maio de 2019 (sexta-feira) – Horário: 09:00.

USF Campo Largo:

Data: 20 de maio de 2019 (segunda-feira) – Horário: 14:00.

USF Trieste:

Data: 21 de maio de 2019 (terça-feira) – Horário: 14:00.

USF Maracanã:

Data: 22 de maio de 2019 (quarta-feira) – Horário: 10:00.

USF Vila Primavera:

Data: 23 de maio de 2019 (quinta-feira) – Horário: 09:00.

Núcleo de Prevenção divulga programação anual de atendimento

Segue abaixo algumas ações e horários que serão desenvolvidas pela Secretaria de Saúde através do Núcleo de Prevenção à Violência e Promoção da Saúde.

  • “Roda de Conversa”tem o objetivo de levar informações teórico/técnica aos profissionais que atuam na rede de atenção e proteção às pessoas vítimas de violência doméstica.

            Horário: 10:30 as 12:00

            Dias: 29/03; 26/04; 31/05; 28/06; 26/07; 30/08; 27/09; 18/10; 29/11/19.

 

  • “Grupo Retocar” tem o objetivo de trabalhar a auto estima e auto confiança com mulheres vítimas de violência doméstica.

            Horário: 10:30 as 12:00

            Dias: 08/03; 12/04; 10/05; 14/06; 12/07 09/08; 13/09; 11/10; 08/11; 13/12/19.

 

  • “Encontro com a Rede”tem o objetivo de reunir os responsáveis pelos diferentes segmentos do município que trabalham com a atenção e proteção de vítimas de violência doméstica para uma integração e fortalecimento dos atendimentos e ações nesta problemática.

Horário: 10:30 as 12:00

                Dias: Toda primeira sexta-feira de cada mês: 01/03/19; 05/04/19; 03/05/19;          07/06/19; 05/07/19; 02/08/19; 06/09/19; 04/10/19; 01/11/19 e 06/12/19.

 

  • Atendimento aos encaminhamentos do Conselho Tutelar: toda sexta – feira das 08:00h às 10:00h

 Odila Mazzei de Barros

Psicóloga-CRP 06/25257

Resp. Téc. do Núcleo

NÚCLEO DE PREVENÇÃO À VIOLÊNCIA E PROMOÇÃO DA SAÚDE

Conheça o Núcleo

 

O Núcleo de Prevenção à Violência e Promoção da Saúde é um setor da Secretaria de Saúde especializado no atendimento e prevenção da violência doméstica e sexual contra crianças e adolescentes, promovendo a saúde e o bem estar das vítimas e seus familiares.

A atividade principal do Núcleo é trabalhar integrado com a rede de atenção e apoio as crianças e adolescentes do município.

O Núcleo de Prevenção iniciou suas ações em 2006 e até o momento realizou algumas atividades como:

  • Fóruns de debates e Encontro Inter Setorial abordando temas como:
  • Importância do Núcleo no enfrentamento à violência.
  • Violência uma questão de saúde pública.
  • Importância da articulação da rede no atendimento e prevenção da violência doméstica.
  • Enfrentamento da violência na saúde pública.
  • Prevenção e Atendimento psicossocial.
  • A violência doméstica e o abuso sexual.
  • Detecção, Notificação e relação Inter Institucional.
  • O Impacto da Violência nas Relações Sociais e na Saúde da Sociedade.
  • Intersetorialidade no Enfrentamento da Violência e a Integração da Rede de Apoio.
  • Capacitações para profissionais da rede, onde foram instrumentalizados para serem agentes multiplicadores de ações preventivas à violência doméstica e sexual contra crianças e adolescentes.
  • Aprovação do Ministério da Saúde para Implantação e Estruturação do Núcleo de Prevenção à Violência e Promoção da Saúde.
  • Implantação da ficha de Notificação de Violência Interpessoal/Autoprovocada, conforme determinação do Ministério da Saúde aos municípios com Núcleo de Prevenção implantados.
  • Portaria Nº 7015, de 18 de outubro de 2011 que nomeia membros para Comissão de Enfrentamento á Violência Contra Crianças e Adolescentes e Promoção da Saúde no município de Jarinu.
  • Parceria do Núcleo com Fundação Abrinq, Instituto Sedes Sapientae e Instituto WCF Brasil (Início 2006).
  • Parceria com Conselho Tutelar local para realização de triagem nos casos que requerem atendimento psicológico para criança e/ou adolescente e seus responsáveis.
  • Avaliação Psicológica para crianças e adolescentes vítimas de violências com processo judicial (Início 2014).
  • Realização de psicodiagnóstico para crianças em atendimento com neuropediatra (Início 2014).
  • Criação de uma página com o tema Prevenção à Violência Doméstica no site da Secretária Municipal de Saúde (Início 2015).
  • Atendimento Psicológico: “Grupo Retocar”, onde as participantes, vítimas de violência doméstica tem a possiblidade de “rever” seu próprio “eu”, seus sentimentos, seus afetos, suas emoções e reconstruir a condição de paz interior (Início 2015).
  • Elaboração de um plano municipal de enfrentamento à violência intrafamiliar, possibilitando atendimento às vítimas, familiares e agressores (Início 2017).
,

Jarinu realiza “Fique Sabendo” com teste rápido para Sífilis, HIV e Hepatite

A Secretaria de Saúde, da Prefeitura de Jarinu, através do departamento de Vigilância Epidemiológica, realizará entre os dias 27 de Novembro e 01 de Dezembro, mais uma edição da Campanha “Fique Sabendo”, com testes rápidos e gratuitos para HIV, Hepatites B e C, e Sífilis, em todas as unidades de saúde e no Ambulatório Central, no horário de expediente.

Para a Campanha não existe um número a ser atingido como meta, mas a Equipe da Saúde gostaria que os números ultrapassagem a marca das 500 procuras pelo teste rápido, uma vez que muito se fala sobre as doenças sexualmente transmissíveis, porém poucos procuram fazer os exames.

“Com o teste rápido é possível encaminhar o paciente para tratamento. Lembramos, também, que é totalmente sigiloso e ninguém precisa ficar constrangido de fazê-lo, mas sim por não fazê-lo. Prevenção é a porta para o cuidado com a saúde”, disse Antenor Gomes Gonçalves, secretário de Saúde.

De acordo com o Ministério da Saúde e o Programa das Nações Unidas sobre Aids (Unaids) a cada hora, cinco pessoas são infectadas pelo vírus HIV no Brasil, em 2016, o País registrou cerca de 50 mil novos casos. Neste mesmo ano, a Vigilância Epidemiológica de Cotia registrou 51 casos de Aids/HIV e, de janeiro a 2 de outubro deste ano, foram anotados 78 novos casos

, , , ,

Semana do Bebê encerra neste sábado na Praça da Matriz

Com abertura oficial na segunda-feira, dia 31 de Julho, no Paço Municipal de Jarinu, a 6ª Semana do Bebê trouxe para pais, crianças e todos os familiares diversas atividades lúdicas com o objetivo de sensibilizar toda a sociedade com relação aos cuidados com as crianças, da gestação até a adolescência.  Além de ser uma oportunidade de envolver vários segmentos para a reflexão sobre todas as questões envolvidas na temática de cuidar com responsabilidade e carinho dos bebês e respeitar sua infância.

A Semana do Bebê faz parte do Programa Primeiríssima Infância, desenvolvido pela Fundação Maria Cecília Souto Vidigal e pela Prefeitura Municipal de Jarinu, por meio das secretarias de Educação, Desenvolvimento Social e Saúde.

Para Prefeita Eliane Lorencini o projeto que começou em 2012 se mantém funcionando até agora porque é algo concreto que traz benefícios para todos. “Não estamos na gestão para acabar com projetos de um ou de outro prefeito que já passou. O que é bom para a população precisa continuar e esse projeto, que começou em 2012, certamente se perpetuará no município”.

Durante a Semana do Bebe as UBS e escolas municipais realizaram atividades com palestras, higiene bucal, corridas de saco, brincadeiras, contação de histórias, danças com bebês, pintura fácil, e orientação para mães e pais sobre os cuidados com a criança.

ENCERRAMENTO

No sábado, dia 05 de agosto, na Praça da Matriz, ocorre o encerramento da 6ª Semana do Bebê de Jarinu, com atividades gratuitas para toda população. De acordo com a articuladora do Programa em Jarinu, Maria Teresa, haverá informações sobre saúde, atendimento educacional especializado, informações sobre APAE, brincadeiras com corda, amarelinha, desenhos, além do espaço lúdico com massinhas, desenhos, roda de música e pintura facial.

A programação continua às 09h30 com aula de zumba, para fortalecimento do esportivo, em seguida, às 10h00, danças circulares, e às 11h00 teatro infantil.

SEMANA REGIONAL

Ainda na segunda-feira, dia 31, no Teatro Polytheama, em Jundiaí, aconteceu a abertura Regional da Semana do Bebê, com participação e apresentação especial do grupo Amira Dança e Movimento e Baby Fusion, além de palestra com o psiquiatra da infância, Gustavo Estanislau.

Participaram do evento, a Prefeita Eliane Lorencini, o secretário de Saúde, Antenor Gonçalves, articulares do Programa em Jarinu, colaboradores da secretaria de Desenvolvimento Social, Saúde, Educação, Cultura, além dos agentes comunitários de saúde da cidade.

, , , , ,

Jarinu recebe 6ª Semana do Bebê

Saúde, Educação e Assistência Social estão reunidas para tratarem de um único assunto: Primeiríssima Infância. Projeto implantado em 2012 e que já entrou em seu sexto ano consecutivo com a Semana do Bebê.

A 6ª Semana do Bebê de Jarinu começa na segunda-feira, dia 31 de julho, a partir das 09h, na Prefeitura de Jarinu, com abertura oficial e presença de autoridades, secretários municipais, assistentes sociais e representantes do Governo de Estado às 19h00, no Teatro Polytheama de Jundiaí.

Para Eliane Lorencini, prefeita de Jarinu, os pais devem estar mais atentos aos seus filhos, além de participarem mais da vida deles e deixarem um pouco a tecnologia de lado para ficarem com as crianças. “Estamos num mundo muito moderno. A tecnologia tem tirado o contato entre pais e filhos e a própria família, devemos estar atentos a isso e não perder o que nossos pais e avós nos ensinaram. A acolhida, o carinho e o amor são os melhores remédios para uma criança”.

As atividades, que começam no dia 31 e encerram no sábado, 05 de agosto, serão realizadas durante toda semana nas creches, escolas municipais (EMEFS), Unidades Básicas de Saúde (ESF), e Unidade Mista de Saúde, durante todo o dia.

O evento é realizado com o objetivo de sensibilizar toda a sociedade com relação aos cuidados para com as crianças, desde a gestação até a adolescência.  Além de ser uma oportunidade de envolver vários segmentos para a reflexão sobre todas as questões envolvidas na temática de cuidar com responsabilidade e carinho dos bebês e respeitar sua infância.

A Semana do Bebê faz parte do Programa Primeiríssima Infância, desenvolvido pela Fundação Maria Cecília Souto Vidigal e pela Prefeitura Municipal de Jarinu, por meio das secretarias de Educação, Desenvolvimento Social e Saúde.

Toda programação estará disponível na página da Prefeitura de Jarinu, CRONOGRAMA DA SEMANA DO BEBÊ DE JARINU  além das creches, escolas, unidades de saúde e Secretaria de Educação. Mais informação ligue para (11) 4016-0200 e fale com os responsáveis pela Primeiríssima Infância de Jarinu.